As assustabruxas nas chaminés de Aragão

As assustabruxas nas chaminés de Aragão

Hoje na HotFireDoor, especialistas em portas para lareiras, contamos a história das espanta-bruxas nas chaminés de Aragão. Conheça uma história e uma lenda curiosa e interessante ao mesmo tempo.

O que são as espanta-bruxas nas chaminés?

As espanta-bruxas, também conhecidas como “guarda-bruxas” ou “salva-bruxas“, são elementos arquitetônicos decorativos e protetores encontrados nas chaminés da região de Aragão. Essas estruturas têm uma longa história e remontam à Idade Média, embora seu uso e popularidade tenham atingido seu auge durante os séculos XVII e XVIII.
As espanta-bruxas são, geralmente, pedras com formas geométricas, como esferas, cones ou pirâmides, colocadas na parte superior das chaminés. Seu principal objetivo é proteger a casa da entrada de bruxas, maus espíritos e outros seres sobrenaturais. Acredita-se que essas estruturas confundiam e desorientavam as bruxas, impedindo-as de entrar nas casas através das chaminés.

A história das bruxas que cruzavam os céus nas aldeias do Alto Aragão

As lendas populares falavam de bruxas que subiam em suas vassouras à noite. E que entravam nas casas para fazer suas maldades. Evidentemente, não o faziam pela porta, já que estava bem fechada, mas havia um espaço que sempre estava aberto em uma casa: a chaminé. Para impedir isso, começaram a colocar as espanta-bruxas.

A crença nas bruxas e sua influência negativa na vida cotidiana era bastante comum na época, e as espanta-bruxas eram uma forma de se proteger de sua presença. No contexto histórico e cultural de Aragão, as espanta-bruxas também simbolizavam a proteção dos habitantes da casa e a prosperidade de seus lares.

TAMBIÉN TE PUEDE INTERESAR:
Design de lareiras modernas

Hoje em dia, os espanta-bruxas são considerados elementos arquitetônicos e culturais de interesse na região de Aragão. Embora não se acredite mais em sua capacidade de proteger contra bruxas e maus espíritos, essas estruturas singulares continuam sendo um símbolo da identidade e tradição aragonesa.

Como são os espanta-bruxas tradicionais

As primeiras dessas armadilhas eram simples pedras em forma de cruz ou figura humana, nas quais se fazia um orifício para que o ar as fizesse assobiar. Há quem fale de um sentido místico ao colocar uma cruz em cima da chaminé, embora a verdade seja que é um boneco muito feio com os braços abertos, como os espantalhos que são colocados nas plantações, com a ideia de que “as bruxas” não possam entrar na casa.

espantalhos

Em alguns lugares, eram colocados potes de barro, em parte para coletar água, um símbolo de purificação.

Outros elementos que eram usados ​​tradicionalmente

Para aumentar o efeito e evitar que as bruxas mais ousadas conseguissem entrar, uma vez apagado o fogo, deixavam-se as pinças abertas ou fazia-se uma cruz sobre as cinzas. Também era colocado um boneco de barro feito à mão como defensor da entrada.

Onde podemos encontrar espantalhos de bruxa autênticos?

Hoje, o costume de terminar com chaminés a saída de fumaça ainda é muito presente em muitas aldeias de Huesca. Algumas casas foram reformadas e as formas mudaram, enquanto outras são completamente novas. Se você quiser ver exemplos reais, o melhor é visitar aldeias abandonadas, que mantêm a essência e a tradição originais, já que as casas não foram tocadas. Também podem ser encontrados em cidades como Sabiñánigo, Ipés ou Panticosa, com diferentes formas. Em Panticosa, colocam jarros de cabeça para baixo, enquanto em Jaca os colocam de forma contrária.

TAMBIÉN TE PUEDE INTERESAR:
Por que motivo sai fumaça de uma chaminé?

espantalhos

No Pirenarium, um parque temático dedicado aos Pirinéus aberto em Sabiñánigo, foram construídas 4 réplicas dos espantalhos de bruxa clássicos. Não são os originais, mas é uma maneira de ver como são, além de desfrutar de uma coleção de miniaturas e maquetes, entre outras coisas.

Chaminés e lendas, sempre unidas

Pode ser o efeito do fogo e a ideia de que tem algo mágico, ou o costume de contar histórias de medo junto a uma fogueira. O fato é que muitas lendas têm alguma chaminé como elemento. Este caso é um dos muitos, embora seja preciso admitir que é bastante curioso e pitoresco.