Por que o Papai Noel desce pela chaminé?

Por que o Papai Noel desce pela chaminé?

Quando as crianças são informadas, no Natal, que o Papai Noel, um senhor bastante gordo vestido de vermelho que traz presentes, entra pelas chaminés das casas, a maioria delas fica surpresa e faz a mesma pergunta: Como e por que ele desce pela chaminé? Alguns não sabem bem o que dizer, enquanto outros recorrem a histórias mais estranhas para dar uma resposta. No HotFireDoor, falaremos sobre a lenda do Papai Noel, Santa Claus ou São Nicolau e a chaminé.

A história do Papai Noel

Origem do Papai Noel na Turquia

A origem do Papai Noel, também conhecido como Santa Claus ou São Nicolau, remonta à figura histórica de São Nicolau de Mira, um bispo cristão que viveu no século IV em Lícia, uma região que hoje faz parte da atual Turquia. São Nicolau era conhecido por sua generosidade e bondade com os pobres e as crianças, e muitas histórias e lendas foram desenvolvidas em torno dele.

Uma das histórias mais conhecidas sobre São Nicolau é a de um homem que não tinha dinheiro para o dote de suas três filhas. Ao tomar conhecimento da situação, São Nicolau jogou três bolsas de ouro pela janela da casa do homem durante três noites consecutivas, o que permitiu que as filhas se casassem. Essa história contribuiu para a tradição de dar presentes em seu nome.

Sua disseminação pela Europa

Com o tempo, a veneração a São Nicolau se espalhou pela Europa, e diferentes culturas adotaram e adaptaram seus costumes e lendas. Nos Países Baixos, São Nicolau é conhecido como Sinterklaas, uma adaptação fonética do nome em holandês, e é representado como um bispo idoso que chega de barco da Espanha, acompanhado por seus ajudantes chamados “Zwarte Pieten” (Pedros Negros).

Santa Claus nos Estados Unidos

Quando os colonos holandeses chegaram à América do Norte, a figura de Sinterklaas se fundiu com as tradições natalinas britânicas e se tornou “Santa Claus”.

TAMBIÉN TE PUEDE INTERESAR:
Como vedar a chaminé com vidro

A imagem atual de Papai Noel como um homem gordinho e alegre com uma roupa vermelha e branca se popularizou no século XIX, em grande parte devido ao trabalho do cartunista americano Thomas Nast e, posteriormente, à famosa campanha publicitária da Coca-Cola na década de 1930.

A origem da lenda do Papai Noel pela chaminé

Tudo indica que essa lenda tem sua origem em um poema do século XIX. Seu autor, Clement Clarke Moore, um estudioso que havia revisado os mitos sobre o Natal ao redor do mundo, escreveu uma história para seus filhos que contava a história de Papai Noel, ou Papai Noel, conduzindo um trenó puxado por renas e pousando no telhado.

Com um salto, ele desce pela chaminé e entra na casa, para surpresa daqueles que estão acordados naquele momento. Também deve ser uma das razões pelas quais as chaminés são decoradas no Natal.

Santa Claus,Papai Noel desce por uma chaminé.,Papai Noel

Na verdade, tudo indica que o autor reúne várias histórias antigas, a maioria delas provenientes da tradição finlandesa e lapã. Vale destacar que as habitações tradicionais dessa região eram as iglus ou cabanas com uma forma semelhante, escavadas no chão e que tinham apenas o telhado como acesso. Essa é a chave para compreender a lenda da chaminé.

O poema em que o Papai Noel entra pela chaminé

Como discutido anteriormente, uma das fontes mais sólidas para explicar por que o Papai Noel entra pela chaminé é o poema “A Visit from St. Nicholas“, também conhecido como “The Night Before Christmas” ou “Twas the Night Before Christmas“, escrito por Clement Clarke Moore em 1823.

Este poema é muito popular na tradição natalina anglo-saxã e influenciou significativamente a concepção moderna do Papai Noel. Ele narra a visita do Papai Noel (São Nicolau) a uma casa na véspera de Natal, chegando em seu trenó puxado por renas e entrando pela chaminé para deixar presentes. O poema completo é mais longo, mas aqui compartilho uma seleção dos versos mais representativos em inglês.

“Twas the night before Christmas, when all through the house Not a creature was stirring, not even a mouse; The stockings were hung by the chimney with care, In hopes that St. Nicholas soon would be there;

The children were nestled all snug in their beds, While visions of sugar-plums danced in their heads; And mamma in her ‘kerchief, and I in my cap, Had just settled our brains for a long winter’s nap,

When out on the lawn there arose such a clatter, I sprang from the bed to see what was the matter. Away to the window I flew like a flash, Tore open the shutters and threw up the sash.

The moon on the breast of the new-fallen snow Gave the lustre of mid-day to objects below, When, what to my wondering eyes should appear, But a miniature sleigh, and eight tiny reindeer,

With a little old driver, so lively and quick, I knew in a moment it must be St. Nick. More rapid than eagles his coursers they came, And he whistled, and shouted, and called them by name;

“Now, Dasher! now, Dancer! now, Prancer and Vixen! On, Comet! on Cupid! on, Donder and Blitzen! To the top of the porch! to the top of the wall! Now dash away! dash away! dash away all!”

As dry leaves that before the wild hurricane fly, When they meet with an obstacle, mount to the sky, So up to the house-top the coursers they flew, With the sleigh full of toys, and St. Nicholas too.

And then, in a twinkling, I heard on the roof The prancing and pawing of each little hoof. As I drew in my head, and was turning around, Down the chimney St. Nicholas came with a bound.”

Clement Clarke Moore histórias de Natal

Clement Clarke Moore

Tradução para o português do famoso poema de Clement Clarke Moore

“Era véspera de Natal, e na casa tudo estava quieto, nem mesmo um ratinho se movia; As meias estavam penduradas com cuidado perto da lareira, na esperança de que São Nicolau em breve chegasse;

As crianças estavam aconchegadas em suas camas, enquanto visões de doces dançavam em suas cabeças; E eu com meu gorro e mamãe com seu lenço, havíamos nos preparado para um longo sono de inverno,

Quando no jardim surgiu uma agitação, saí da cama para ver o que estava acontecendo. Rápido como um raio, voei até a janela, abri as venezianas e levantei a moldura.

A lua sobre o peito da neve recém-caída iluminava os objetos abaixo como se fosse meio-dia, quando, para meus olhos surpresos, apareceu nada menos que um trenó pequeno e oito renas minúsculas,

Com um velhinho animado e ágil como condutor, num instante soube que deveria ser São Nicolau. Mais rápidos do que águias, seus corcéis chegaram, e ele assobiou e gritou, chamando-os pelo nome;

“Vamos, Corredor! Vamos, Dançarino! Vamos, Empinador e Cometa! Avance, Cupido! Avance, Trovão! Avance, Relâmpago! Ao topo do alpendre! Ao topo da parede! Agora, avante! Avante! Avante todos!”

Como folhas secas que voam diante do furacão selvagem, quando encontram um obstáculo, elas sobem aos céus, assim voaram até o telhado da casa, com o trenó cheio de brinquedos e também São Nicolau.

E então, num piscar de olhos, ouvi no telhado o galope e o tamborilar de cada pequena casco. Enquanto colocava minha cabeça para fora e me virava, por meio da chaminé desceu São Nicolau com um salto.”

Essa tradução captura o espírito e o conteúdo do poema original em inglês, embora algumas palavras ou expressões possam variar ligeiramente em sua interpretação para manter o fluxo e a rima em português.

TAMBIÉN TE PUEDE INTERESAR:
História da chaminé

Papai Noel, a lareira e a tradição lapônia

Se você está procurando como decorar sua lareira no Natal, possivelmente não se importará que haja uma explicação lógica para essa história. E também não queira dar às crianças uma resposta que transforme a magia em algo mais normal. De qualquer forma, a explicação de como ele pode entrar pela chaminé é muito mais simples e lógica do que você pensa se levar em consideração os conceitos de onde ele vem.

As cabanas lapônicas têm apenas uma entrada, que serve como porta e saída de fumaça da chaminé. Daí entrar pela porta ou pela chaminé serem na realidade a mesma coisa. Se transferirmos isso para as nossas chaminés, é natural que surja a pergunta de como isso pode ser possível. Mas na Finlândia e nas casas tradicionais dos antigos habitantes, ver alguém entrar, por mais robusto que seja, pela chaminé seria a coisa mais normal do mundo.